Notícia
publicado em: 08/02/2012
A crescente (e perigosa) dependência do Brasil da exportação de produtos primários
Artigo do economista José Álvaro Cardoso alerta para a necessidade do país produzir mais comodites.

A produção da indústria avançou 0,9% em dezembro frente ao mês de novembro, fechando o ano de 2011, com taxa positiva de apenas 0,3%, resultado bem abaixo do registrado em 2010 (10,5%). No último trimestre de 2011 a produção industrial recuou 1,4% em relação ao trimestre imediatamente anterior. A Indústria de Transformação, considerando-se a série dessazonalizada, cresceu 1,06% em dezembro com relação a novembro. O índice de Utilização da Capacidade Instalada divulgado pela CNI - Confederação Nacional da Indústria, relativo à novembro (último dado disponível), considerando-se a série dessazonalizada, registrou 81,5%, mantendo estabilidade em relação ao mês anterior, outubro (81,4%).

     Este medíocre resultado da indústria está relacionado tanto ao acúmulo de estoques do primeiro semestre, quanto com o agravamento da crise no segundo semestre, que abalou a confiança dos empresários, que interromperam ou desaceleraram investimentos previstos. Outro fator é a rápida expansão das importações de produtos industriais, decorrência direta da apreciação cambial. O problema da indústria brasileira não são apenas as dificuldades para exportar produtos industriais, mas principalmente a facilidade para importá-los.
      O comportamento da balança comercial do país revela claramente o problema cambial. O Brasil obteve em 2001 um respeitável superávit comercial de US$ 29,7 bilhões (bom desempenho, em grande parte, pelo ainda elevado preço das commodities), um crescimento de 48% se comparado a 2010. O crescimento das exportações foi o principal responsável por esse aumento. Enquanto em 2010 o Brasil exportou US$ 201,9 bilhões, no ano passado a venda de produtos para o exterior foi de US$ 256 bilhões. As importações em geral cresceram a um ritmo um pouco menor, totalizando, no final de 2011, US$ 226,2 bilhões. Mas, na realidade, o país ampliou a sua dependência da exportação de commodities, visto que, de janeiro a novembro, o déficit da indústria de transformação atingiu US$ 43,68 bilhões, um aumento de 37% em relação a <st1:metricconverter productid="\&quot;2010." a\"="" w:st="\&quot;on\&quot;">2010. A China, o principal país comprador dos produtos brasileiros em 2011 (US$ 44,31 bilhões, expansão de 44% em relação a 2010), importa bilhões em soja e minério de ferro do Brasil (e outros produtos básicos) e inunda o país com produtos industriais. Como tem sido alertado por muitos especialistas, essa política é extremamente arriscada e não tem sustentação no longo prazo.
nas categorias: Artigo/opinião
tags relacionadas:
fonte: http://www.sensoreconomicobrasil.blogspot.c om/

Guia de Contribuição Sindical - acesse e imprima seu boleto

 
Sindicalismo no Brasil - Parte histórica


Jornal do Saesc nº92
10 dez 2012
SAESC - Sindicato dos Administradores do Estado de Santa Catarina
Rua dos Ilhéus, 38 , salas 602 e 603 - Centro - CEP 88010-560 - Florianópolis - SC
Fone/Fax: (48) 3222-8080 / 3224-3354 |